A fim de lhe proporcionar a melhor experiência online este site utiliza cookies.

Os cookies ajudam-nos a oferecer os nossos serviços. Saiba mais

Compreendo

Um cookie, é um pequeno fragmento de dados enviado de um site e armazenado no navegador do utilizador enquanto o utilizador está a navegar no site. Toda vez que o utilizador carrega o site, o navegador envia o cookie de volta ao servidor e notifica o site da atividade anterior do utilizador. Os cookies foram projetados para serem um mecanismo confiável para sites e lembrarem informações essenciais (como itens de um carrinho de compras, logins, etc).

Talvez o mais importante, sobre os cookies será o método mais comum usado pelos servidores web para saberem se o utilizador está logado ou não. Sem esse mecanismo, o site não saberá se enviará uma página que contém informações confidenciais, ou exigir que o utilizador autentifique-se por login. A segurança de um cookie de autenticação, geralmente depende da segurança do site emissor e navegador do utilizador e, se os dados de cookie são criptografados.

A Quinta da Lage é um espaço onde o verde é predominante, um salão com capacidade para cerca de 250 pessoas.

A casa com uma decoração arrojada, sendo um autêntico estúdio para fotografias. Numa antiga genealogia, remonta à era de 1500, em que foi escrita, acha-se que na era de 1245 junto à cidade do Porto, donde dista a Quinta da Lage 4 léguas, se deu uma batalha entre Rui Sanches, filho de El-Rei D.SanchoI e D. Martim Gil de Soverosa, descendente do Conde D. Gomes de Sobrado e que a ela assistira Rui Fafes, ilustre cavaleiro, a quem mataram o cavalo, e que vendo-se este em grande perigo, pedira o cavalo a D. Gonçalo Roiz d'Abreu e que este lho dera com condição de que, se não morresse, lhe daria por mulher sua filha MéciaRoiz, o que pontualmente cumpriu.

Quinta com uma história iniciada no já longinquo séc. XII, tendo a família Abreu como os seus proprietários à já muitos séculos, segundo os registos da freguesia de Burgães. Dentro da Casa da Lage existe uma janela Manuelina, em tempos tapada devido a transformações que se fizeram na Casa.

O seu Brasão segundo o arquivo heráldico Genealógico de Sanches de Baena, volume I, Lisboa, 1872, pág. 376. Ficou registado no livro 1º do registo dos brasões d'Armas da Nobreza e Fidalguia destes Reinos e seus Domínios a F.344 vº em 25 de Maio de 1816 por Francisco de Paula Campos.

Subscrever

Receba Notícias dos Nossos Eventos
captcha 
Produzido por: garedesign